De Olho no Tour #67 – Medina leva tudo na Europa! Quem será o Bi?

O episódio #67 do programa De Olho no Tour é sobre o excelente momento do surf brasileiro. Nesta quarta-feira Gabriel Medina fez sua terceira final no ano e conquistou sua segunda vitória, a quinta de um brasileiro nas dez etapas da elite no ano. Com os 10.000 pontos conquistados Medina encostou no líder do ranking, o havaiano John John Florence, e a disputa pelo caneco de melhor surfista do planeta ficou para o último evento, o Pipe Masters.

Os especialistas em surf Marcelo Andrade e Marcelo Bôscoli falam sobre a etapa portuguesa e sobre as chances de Medina e do havaiano John John Florence de se tornarem bicampeões mundiais. A luta pela reclassificação também é tema do episódio.

A apresentação é do jornalista Carlos Matias.

De Olho no Tour #66 – Portugal: briga pelo título mundial e pela reclassificação

Na sexta-feira 20 de outubro começa a penúltima etapa do CT 2017, e as lutas pelo título mundial e pela reclassificação para a elite no próximo ano colocam um tempero a mais nos tubos portugueses de Peniche, o palco do evento. Esses são os temas debatidos no episódio #66 do programa De Olho no Tour pelos especialistas em surf Marcelo Andrade e Marcelo Boscoli. A apresentação é do jornalista Carlos Matias.

Facebook: De Olho no Tour https://www.facebook.com/deolhonotour/

De Olho no Tour #65 – Medina é tri na França e JJ perto do título

No episódio #65 do programa De Olho no Tour os especialistas Marcelo Andrade e Marcelo Boscoli comentam a etapa francesa do CT 2017, que terminou com o terceiro título de Gabriel Medina na competição e com o havaiano John John Florence perto do caneco de melhor surfista do planeta. As performances na prova, a briga pelo título mundial e o julgamento são debatidos no episódio que tem a apresentação do jornalista Carlos Matias.
Assista: Facebook: De Olho no Tour https://www.facebook.com/deolhonotour/
Imagens Carlos Matias @carlosmatiasrj e WSL
Edição Carlos Matias

De Olho no Tour #64 – França + Piscina + Novo Formato da WSL

No episódio #64 do programa De Olho no Tour você confere a opinião dos especialistas em Surf Marcelo Andrade e Marcelo Boscoli sobre o que esperar da próxima etapa do tour, que começa no próximo sábado na França. O que a piscina de ondas de Kelly Slater pode alterar na história do esporte e o possível novo formato do Circuito da WSL também são debatidos no programa.

A apresentação é do jornalista Carlos Matias.

Facebook: De Olho no Tour https://www.facebook.com/deolhonotour/

Imagens Carlos Matias @carlosmatiasrj e WSL

Edição Carlos Matias

De Olho no Tour #63 – O Brasil está incomodando

O episódio 63 do programa De Olho no Tour fala sobre o bom momento do Brasil no circuito mundial. Apesar de não estar liderando o CT, o Brasil é o único país que já tem atletas classificados para a elite de 2018 pelo QS, Jessé Mendes e Yago Dora. Além disso temos três vitórias nas oito etapas já realizadas do CT 2017 e demos espetáculo na prova de Trestles, com Filipe Toledo e Silvana Lima garantindo o Brasil absoluto no alto do pódio. O julgamento na etapa californiana, a evolução das manobras, a briga pelo título mundial e outros assuntos são também temas do episódio.
Assista: Imagens Carlos Matias e WSL
Edição Carlos Matias

De Olho no Tour #62 – Como vencer em Trestles: surf inovador ou tradicional?

No episódio 62 do programa “De Olho no Tour”, que tem a apresentação do jornalista Carlos Matias, os especialistas Marcelo Andrade e Marcelo Boscoli falam sobre a etapa de Trestles do Circuito da World Surf League, o CT 2017, e o tema principal é: qual vai ser o surf vencedor na etapa: o inovador, de atletas como Filipe Toledo e Gabriel Medina, ou o tradicional de surfistas com Mick Fanning, campeão do evento em 2015, e Jordy Smith, bicampeão na Califórnia que tem um surf progressivo, mas que nessa onda opta por uma abordagem mais convencional?

Imagens: Carlos Matias e WSl.

Edição: Carlos Matias.

Música: Watch it Glow – Silent Partner

De Olho no Tour #61 – Medina: raça ou excesso?

A sétima etapa do CT 2017 terminou com a terceira vitória de Julian Wilson sobre Gabriel Medina em finais, mas ficou marcada pelas condições inconsistentes para o surf, com muitas disputas tendo poucas ondas boas.
Além disso, Gabriel Medina e Wiggolly Dantas lutaram muito pela primeira prioridade nas baterias, o que gerou muitas críticas. Medina se embolou com Kolohe Andino na semifinal e com Julian na final, e fez uma interferência em Matt Wilkinson na quarta fase.
Esses e outros assuntos da etapa são comentados pelos especialistas Marcelo Andrade e Marcelo Boscoli no programa que tem a apresentação do jornalista Carlos Matias.

Imagens:
Carlos Matias, WSL e Surfing World.

Edição:
Carlos Matias.

Música:
Watch It Glow – Silent Partner.

Calote de novo não

Em maio de 2017 fará dois anos que o QS 10 mil de Saquarema não pagou boa parte das pessoas que trabalharam no evento. Segundo informações dos organizadores, os honorários dos árbitros da WSL foram pagos, os atletas receberam suas premiações pela entidade, e alguns fornecedores conseguiram parte do que foi acordado. O staff local, outros contratados, e alguns fornecedores ainda não receberam. Alegam que a impossibilidade de pagar a todos foi causada pelo não cumprimento do convênio firmado entre o Governo do Estado do Rio e a ABRASP, entidade que fez a ponte para Adding Sports, empresa licenciada pela WSL, e organizadora da etapa. Não é difícil entender porque o Governo do Estado do RJ não pagou.  Os noticiários revelam diariamente as atrocidades cometidas pelas últimas gestões, causadoras da falência do estado.

Próxima sede do CT Brasil, Saquarema tem tudo para proporcionar um espetáculo digno para os amantes do esporte. Foto: WSL/ Daniel Smorigo

Próxima sede do CT Brasil, Saquarema tem tudo para proporcionar um espetáculo digno para os amantes do esporte. Foto: WSL/ Daniel Smorigo

O QS de Saquarema tinha se tornado um evento tradicional do calendário do circuito mundial. O apoio da prefeitura foi firme até 2015, e o Governo do Estado fortaleceu até 2014. A Coca Cola entrou em algumas edições, e a Quiksilver  dava uma cara surf com a sua cota de patrocínio . Foram 7 anos realizando um campeonato de extrema importância para o surf brasileiro. Fora a etapa do CT, era considerado o melhor evento da WSL no Brasil.  Sempre uma semana antes ou depois da etapa do Rio, a competição era agraciada por ondas excelentes, que superavam em muito as ondas do Postinho da Barra. Isso causava sempre um questionamento do porque não ser ali a etapa de maior importância do Tour em nosso país.

A confirmação do CT Brasil 2017 para Saquarema foi uma ótima notícia para os amantes do esporte. Com certeza preferem assistir os melhores surfistas do mundo se apresentando nas melhores condições possíveis. Porém, questiono como vão fazer outra competição em Saquarema, onde pessoas que trabalharam em 2015 ainda não receberam. E mais, procurando o mesmo Governo do Estado que não cumpriu com o convênio firmado. Verbas públicas, convênios públicos, ou cartas de isenção de impostos, tem um grande risco envolvido.  A diferença dessa vez é que a WSL tem cacife para pagar seu staff, a premiação dos atletas, e seus fornecedores. No CT não existem licenciados, como acontece no QS.

O maior erro da Adding Sports, empresa licenciada do QS 2015,  foi ter realizado um evento dessas proporções contando com a cota master de patrocínio vinda do governo. Como já tinha feito outras 6 edições dessa forma, acreditava que tudo acabaria bem, ledo engano. Qualquer evento tem seus riscos envolvidos. Quando dá tudo certo é maravilhoso, mas quando não dá tem que ter lastro para pagar a conta. Ninguém pode negar a importância da Adding Sports para o surf brasileiro. Durante anos fez várias etapas honrando seus compromissos. Porém, a empresa ficará marcada pelo evento que deu errado.

Alex Ribeiro foi o vencedor do QS 10 mil de 2015. Foto: WSL/ Daniel Smorigo

Alex Ribeiro foi o vencedor do QS 10 mil de 2015. Foto: WSL/ Daniel Smorigo

Nos meus mais de 30 anos trabalhando com surf posso listar várias competições que não foram pagas por verbas governamentais. Parece que as pessoas que trabalham com o nosso esporte não aprendem com os calotes. Depois ficam ressentidas porque alguns atletas colocam nas redes sociais o atraso do pagamento das premiações. Os atletas pagam inscrição, filiação, hospedagem, comida, e transporte, para competir. Na hora de receber o valor de suas premiações vem a triste notícia. Como acham que eles se sentem ?

Torço muito pelo CT de Saquarema. Dificilmente não vai quebrar altas ondas no Point, na Barrinha, ou na Vila, durante a janela de espera. Maio é um mês de boas ondulações de sul e sudeste, com o fundo normalmente ajustado para essas ondulações. A cidade tem uma longa tradição na realização de eventos de surf, e a WSL deve organizar uma estrutura de alto nível para receber os melhores do mundo. Tem tudo para ser um espetáculo grandioso no Maracanã do surf brasileiro. Desta vez sem calote, por favor.

A WSL fez um golaço ao escolher Saquarema com sede do CT 2017. Foto: Bruno Monteiro

A WSL fez um golaço ao escolher Saquarema como sede do CT 2017. Foto: Bruno Monteiro

De Olho no Tour #45 – A definição em Pipeline

No episódio de número 45 do programa “De Olho no Tour”, que tem a apresentação de Carlos Matias, os especialistas em Surf Marcelo Andrade e Marcelo Boscoli falam sobre o Pipe Masters, etapa que vai finalizar o CT 2016 entre os dias 8 e 20 de dezembro.
O que esperar das lutas pelo título da etapa, da Tríplice Coroa Havaiana e pela reclassificação para o tour de elite de 2017, além da previsão das ondas e de como está a bancada de Pipeline, são alguns dos assuntos abordados no episódio.

Imagens: Carlos Matias.
Edição: Carlos Matias.