O Sr Humildade

A notícia triste que circula pelas redes sociais sobre a situação complicada que está passando o ex-atleta do WCT, Fábio Silva, num hospital público de Fortaleza, deixou a comunidade do surf em polvorosa. Imaginar uma pessoa, com quem tive convivência próxima, deitada numa maca de hospital sem um atendimento decente para sintomas de AVC ou atendimento de atenção imediata, deixou-me extremamente angustiado. Fabinho é uma cara humilde, com um enorme coração, que não merecia estar passando por esta situação. Entendo que nosso país atravessa uma das maiores crises econômicas dos últimos 30 anos, causada por um bando de ladrões que nos assaltam todos os dias, mas com a quantidade de impostos que pagamos, hospitais deveriam ser proporcionados a nós, população, para nos atender de forma digna. Quantas pessoas não passam por isto todos os dias? O Brasil está muito mal administrado. Não falta dinheiro, falta vergonha na cara. Se ficar colocando no papel minha indignação com esses governantes podres, nunca vou acabar este texto.

Conheci Fábio Silva quando meu amigo, Paulo Moura, chefe da equipe Seaway no fim dos anos 80, pediu para eu dar uma auxiliada nos atletas da sua equipe durante um brasileiro amador na Barra da Tijuca. Aldemir Calunga e Fabinho eram os dois grandes nomes do time e as grandes esperanças do surf nordestino naquela competição. Corriam em categorias diferentes e não eram rivais naquele momento, o que unia mais os dois na busca de seus objetivos. Não os conhecia e fiquei meio sem graça de chegar querendo ajudar sem saber se gostariam. Me apresentei e comecei a conversar com dois garotos humildes, educados, cheios de sonhos e muito surf na mente. Expliquei um pouco sobre a corrente das valas da Barra, tentando mostrar o melhor caminho para se chegar rapidamente no outside. Troquei uma ideia e senti que minha missão estava cumprida. Deixei os dois se concentrando para a competição. Voltei no dia seguinte e pude acompanhar de perto a vitória dos dois, em suas respectivas categorias. Fiquei feliz pelo sucesso deles e por ter tido o prazer de fazer amizade com duas das melhores pessoas que conheci na minha vida. Tanto Fabinho quanto Calunga são pessoas do bem, adorados por todos que os rodeiam. Continuei minha jornada no surf tendo a felicidade de conviver com esses dois caras maravilhosos.

Fábio Silva tem um talento bem brasileiro de surfar. Foto: Edvan Souza

Fábio Silva tem um talento bem brasileiro de surfar. Foto: Edvan Souza

Fabinho sempre foi um surfista extremamente talentoso, que chegou à elite do surf mundial com uma ginga de surf bem brasileiro. Devido a sua origem humilde, sentia dificuldades em seguir o circuito mundial, principalmente por não entender quase nada das línguas dos países por onde passava o tour. Somando isso a outros fatores, desistiu de ser um atleta do mundo para voltar a sua terrinha, o Ceará. Suas ambições nunca foram tão grandes e a felicidade de estar com os seus familiares e amigos deixou o morador do Titãzinho na tranquilidade de estar novamente em casa, participando do Circuito Brasileiro de Surf, o Super Surf. O Brasil tinha eventos aos montes e Fabinho estava feliz, participando de etapas em território nacional.

Com certeza ele e Tita Tavares foram fontes de inspiração para as gerações de atletas humildes e talentosos do Ceará. Pablo Paulino, Silvana Lima, André Silva, Itim Silva, Lucinho Lima, Claudemir Lima e alguns outros que não me vêm à memória no momento sempre tiveram Fabinho como o exemplo a ser seguido. Quero mostrar a importância deste atleta para o surf brasileiro e pedir uma pequena ajuda para tentar tirar esse grande ídolo da situação que se encontra. Quem puder doar qualquer quantia disponível, será de extrema ajuda. Sei que DEUS não vai faltar, mas agradeço a todos que ajudarem.

CONTA FABIO SILVA

Banco = Caixa Econômica
Agência = 1560
Operação 013
Conta Poupança = 00036131-3
Titular = Fabio Carlos da Silva
CPF: 46132040382

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *