M + A + R = Vida

“A vida é passageira”. “A vida é agora”. Vários são os ditados populares que tem sido repetido, postado e compartilhado nas redes sociais ultimamente. Nos últimos meses, alguns grandes atletas morreram e outros se feriram gravemente praticando o esporte que mais amam. No surfe, Michel Bourez, John John Florence, Jordy Smith, Brett Simpson, Kai Otton e agora Jeremy Flores se contundiram. Jeremy se contundiu feio. No paraquedismo e alpinismo, Dean Potter, o equivalente a uma mistura de Gerry Lopez com Laird Hamilton, numa comparação com o surf, faleceu praticando wingsuit base jumping. Semana passada foi a vez do Claudio Knnipel. Não o conheci, mas pelo que amigos próximos me falaram era o equivalente ao Rico de Souza mais novo do paraquedismo. Outra fera brasileira desse esporte, Andre Penz também se foi fazendo o que mais amava. Praticante de ambos esportes, não pude deixar de refletir sobre o assunto.

Jeremy Flores sofreu uma grave contusão surfando na Indonésia

Jeremy Flores sofreu uma grave contusão surfando na Indonésia

Durante meus 36 anos, 30 deles passei na água aprendendo e praticando esportes aquáticos, na piscina, e no mar. Joguei polo aquático por muito tempo, porém foi no surfe que descobri minha terapia maior. A relação com a natureza que o mar proporciona, ao te dar o poder de flutuar na água, e se descolar do continente terrestre, traz uma energia revigorante incrível, acredito que venha daí a máxima dessa nossa tribo que diz: “não há nada que um bom dia de surfe não cure”. Após anos sentindo essa sensação única no mar, cheguei a um ponto que acreditava estar estagnado e que somente ondas maiores, mais perfeitas ou mais longas me proporcionariam a adrenalina necessária para continuar habitando esse país desprovido de ondas “world class”. Finalmente há um ano atrás, através do meu amigo Marcos Sifu, descobri outro fator da natureza gerador dessa mesma energia, o ar.

 Marcos Sifu, apresentador do programa Aprendiz de Basejumper no canal OFF, da Globosat.

Marcos Sifu, apresentador do programa Aprendiz de Basejumper no canal OFF, da Globosat.

A experiência de saltar de um avião em movimento com paraquedas nas costas para um leigo parece algo inconcebível. Com certeza seria se não houvesse treinamento e normas de segurança a serem seguidas pelo ser humano que almeja chegar ao poder natural único dos pássaros. Orientação profissional é primordial e após superado a fase inicial a experiência se torna algo que é difícil descrever em palavras.

O ar passa uma outra sensação. O resultado final para um esportista radical é o mesmo, mas o caminho até ele é muito diferente. O mar e o ar têm apenas uma letra de diferença, mas um alfabeto inteiro de distância física. Foram criados juntos e um não existe sem o outro. Muitas vezes ficam da mesma cor. O mar é parâmetro de altura para o ser humano, já o céu pode ser medido, mas até hoje não descobriram esse limite, é infinito. Ar muda de pressão, o mar muda de profundidade. No ar você voa com corpo ou dentro de alguma aeronave, no mar você flutua com embarcações, pranchas e com corpo. O homem desenvolveu esportes para usufruir destes dois ambientes de formas diferentes, mas em busca do mesmo. A elevação espiritual, adrenalina, felicidade, sentimento de cabeça feita, amarradão, paixão, amor, chame como quiser. Para cada um acontece diferente de acordo com fatores que só a natureza tem o poder de escolher e mostrar a cada indivíduo no momento certo. Um ciclo que na minha opinião passa pelo passado para devolver no presente uma dádiva a todos que merecem.

Marcos Sifu é surfista aerialista e paraquedista. Foto: aerofishbrasil.blogspot.com.br

Marcos Sifu é um surfista aerialista e paraquedista. Foto: aerofishbrasil.blogspot.com.br

O resumo dessa história é que surfando ou voando a busca da plenitude segue da mesma forma e para muitos o mar, o ar e a terra se completam e quanto mais fatores você for capaz de usufruir praticando esportes, contemplando e preservando, aumentará em muito sua qualidade de vida nesse tempo terreno enquanto estamos aqui em forma de figura física. Quando o momento da passagem para o próximo nível finalmente chegar, estaremos todos de cabeça feita brindando a vida do lado de lá. Esse texto vai em homenagem a todos os que passaram de fase surfando ou voando. Descansem em paz!

Dear Potter, uma referência do esporte, que saltava sempre com seu cachorro, morreu em salto de base jump no Vale de Yosemite

Dear Potter, uma referência do esporte, que saltava sempre com seu cachorro, morreu em salto de base jump no Vale de Yosemite.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *